julho 9, 2020

Scuba News

Notícias do mergulho

Sea Shepherd é atacada em refúgio de vida marinha no dia Mundial da Vida Selvagem

Violência em escalada no habitat dos mamíferos marinhos mais ameaçados do mundo, quando ativistas enfrentam a caça furtiva desenfreada em águas protegidas

San Felipe, BCN, México – 4 de março de 2020 – Na manhã de 3 de março, as equipes da Sea Shepherd foram confrontadas por um grande grupo de esquifes que pescavam ilegalmente dentro do Refúgio de Vaquita, um Patrimônio Mundial da UNESCO localizado no Alto Golfo da Califórnia, no México.

Dois navios da marinha mexicana, um defensor e uma lancha interceptora estavam presentes no momento do ataque e apoiaram os navios de conservação.

Foto: Sea Shepherd

O incidente começou aproximadamente às 08:40 da manhã no interior do Refúgio de Vaquita, uma região protegida pelo governo federal e que abriga o boto vaquita criticamente ameaçado. Durante o monitoramento de rotina da área, as equipes da Sea Shepherd encontraram duas lanchas de pesca recuperando uma rede de emalhar nesta zona protegida e se aproximaram dos navios. As autoridades mexicanas da Procuradoria Federal de Proteção Ambiental (PROFEPA) e da Comissão Nacional de Pesca e Aquicultura (CONAPESCA) a bordo do M / V Sharpie pediram aos pescadores que retirassem a rede do refúgio. Os pescadores recusaram.

Foto: Sea Shepherd

Mais quatro lanchas chegaram ao local e começaram os esforços para recuperar uma segunda rede de emalhe de totoaba da região. Lanchas de pesca adicionais continuaram se agregando e, às 10h20, o grupo lançou um ataque organizado, cercando o M / V Sharpie, o M / V Farley Mowat e os navios militares.

Aproximadamente 20 a 25 lanchas de pesca cercaram os navios da Sea Shepherd, atirando pedras, pesos de chumbo e outros objetos nos navios de conservação, em um esforço para forçá-los a deixar a área. Pescadores ilegais a bordo de uma lancha lançaram um coquetel molotov no lado de estibordo do M / V Sharpie, mas não conseguiram atingir o navio com sucesso.

Pelo menos um menor de idade estava presente nos esquifes envolvidos no ataque.

A Sea Shepherd realizou procedimentos antipirataria, incluindo manobras em alta velocidade e uso defensivo de canhões d’água. Enquanto os pescadores ilegais tentavam acender um segundo coquetel molotov, militares a bordo do M / V Sharpie dispararam um tiro de advertência, então as lanchas se dispersaram e o ataque terminou.

Não houve feridos ou danos aos navios durante o incidente.

“Os eventos de hoje, infelizmente mostram o quão dispostos a partir para criminalidade os pescadores ilegais estão.”, disse o capitão da Sea Shepherd, Octavio Carranza.

Esta não é a primeira vez que a Sea Shepherd é atacada por pescadores ilegais no Refúgio de Vaquita. Em fevereiro de 2020, tiros foram disparados ao navio Sharpie da Sea Shepherd. Em janeiro de 2019, a embarcação da Sea Shepherd, o M / V Farley Mowat, foi atacada por uma multidão de mais de 50 esquifes, que atiraram pedras e coquetéis molotov no navio, quebrando suas janelas e incendiando o casco. Também em janeiro de 2019, pescadores ilegais ilegalmente embarcaram no M / V Farley Mowat.

Esse ataque recente ocorreu no Dia Mundial da Vida Selvagem, um dia de celebração internacional da diversidade da vida animal na Terra.

“Hoje, no Dia Mundial da Vida Selvagem, vi uma criança pequena atirar pesos de chumbo em nosso navio durante um ataque”, disse a capitã da Sea Shepherd, Jacqueline Le Duc. “Testemunhar em isso em primeira mão foi extremamente triste. A Sea Shepherd está aqui para salvar uma espécie à beira da extinção, para que as gerações futuras possam continuar a desfrutar da biodiversidade que esta área tem a oferecer. Deveríamos ensinar às gerações mais jovens a importância da conservação da natureza, não a exploração dela.”

A pesca ilegal é uma das maiores ameaças aos oceanos do mundo e é a razão pela qual a vaquita está enfrentando extinção iminente. Restam menos de 20 vaquitas vivas e as redes de emalhe são a principal ameaça à sobrevivência dessa espécie.

Os pescadores ilegais colocam redes de emalhe na área, em um esforço para capturar o peixe totoaba, uma espécie protegida cujas bexigas natatórias são vendidas por um preço alto no mercado negro chinês. As Vaquitas são vítimas dessas redes e são mortas como capturas acidental.

Foto: Sea Shepherd

A Sea Shepherd trabalha com as autoridades mexicanas nos últimos seis anos, removendo as redes de emalhe ilegais que ameaçam a sobrevivência da vaquita e de toda a vida marinha na área. Até o momento, mais de 1.000 equipamentos de pesca ilegal foram removidos do Refúgio de Vaquita pela Sea Shepherd, salvando diretamente a vida de mais de 4.000 animais.

Fonte: Sea Shepherd

%d blogueiros gostam disto: