julho 9, 2020

Scuba News

Notícias do mergulho

Estudo revela idade de tubarões-baleia com precisão pela primeira vez

Testes de bombas atômicas realizados durante a Guerra Fria ajudaram cientistas pela primeira vez a determinar corretamente a idade dos tubarões-baleia. A descoberta, publicada na revista “Frontiers in Marine Science”, ajudará a garantir a sobrevivência da espécie (o maior peixe do mundo), classificada como ameaçada de extinção.

Medir a idade dos tubarões-baleia (Rhincodon typus) tem sido difícil porque, como todos os tubarões e arraias, eles não possuem estruturas ósseas chamadas otólitos, que são usadas para avaliar a idade de outros peixes.

© Vértebra de tubarão-baleia do Paquistão, em corte transversal, mostrando 50 faixas de crescimento.

As vértebras do tubarão-baleia apresentam faixas distintas – um pouco como os anéis de um tronco de árvore – e sabia-se que elas aumentavam em número à medida que o animal crescia. No entanto, enquanto alguns estudos sugeriram que um novo anel era formado a cada ano, outros concluíram que isso acontecia a cada seis meses.

Para resolver a questão, pesquisadores internacionais liderados por Joyce Ong, da Universidade Rutgers (EUA), Steven Campana, da Universidade da Islândia, e Mark Meekan, do Instituto Australiano de Ciência Marinha (Aims, na sigla em inglês), voltaram-se para o legado radiativo da corrida armamentista nuclear da Guerra Fria.

Durante as décadas de 1950 e 1960, os EUA, União Soviética, Grã-Bretanha, França e China realizaram testes de armas nucleares. Muitas dessas explosões foram detonadas a vários quilômetros de altitude na atmosfera.

Um resultado poderoso das explosões foi a duplicação atmosférica temporária de um isótopo chamado carbono-14. Esse elemento radiativo de ocorrência natural é frequentemente usado por arqueólogos e historiadores para datar ossos e artefatos antigos. Sua taxa de decaimento é constante e facilmente mensurável, tornando-o ideal para fornecer estimativas para qualquer idade acima de 300 anos.

No entanto, o carbono-14 é também um subproduto de explosões nucleares. As consequências dos testes da Guerra Fria saturaram primeiramente o ar e depois os oceanos. O isótopo gradualmente se moveu através das redes alimentares para todos os seres vivos do planeta, produzindo uma etiqueta ou assinatura de carbono-14 elevada, que ainda persiste.

Esse radioisótopo adicional também decai a uma taxa constante – o que significa que a quantidade contida no osso formado em um ponto no tempo será ligeiramente maior do que a contida no osso idêntico formado de outra maneira mais recentemente.

Usando dados de radiocarbono de bomba preparados por Steven Campana, Ong, Meekan e colegas começaram a testar os níveis de carbono-14 nos anéis de crescimento de dois tubarões-baleia mortos há muito tempo armazenados no Paquistão e em Taiwan. Medir os níveis de radioisótopos em anéis de crescimento sucessivos permitiu determinar claramente com que frequência eles foram criados – e, portanto, a idade do animal.Centenários

“Descobrimos que um anel de crescimento era definitivamente depositado a cada ano”, disse Meekan. “Isso é muito importante, porque se você superestimar ou subestimar as taxas de crescimento, acabará inevitavelmente com uma estratégia de gerenciamento que não funciona e verá a população em colapso.”

Um dos espécimes foi estabelecido conclusivamente com 50 anos de idade – a primeira vez que essa idade foi verificada sem ambiguidade.

“Estudos anteriores de modelagem sugeriram que os maiores tubarões-baleia podem viver até 100 anos”, disse Meekan. “No entanto, embora nossa compreensão dos movimentos, comportamento, conectividade e distribuição dos tubarões-baleia tenha melhorado dramaticamente nos últimos 10 anos, os traços básicos da história de vida, como idade, longevidade e mortalidade, permanecem amplamente desconhecidos.”

Meekan acrescentou: “Nosso estudo mostra que os tubarões adultos podem realmente atingir idade mais elevada e que a expectativa de vida longa provavelmente é uma característica da espécie. Agora, temos outro pedaço do quebra-cabeça adicionado”.

Hoje, os tubarões-baleia estão protegidos em toda a sua extensão global e são considerados uma espécie de alto valor para o ecoturismo. O Aims é o principal organismo de pesquisa de tubarões-baleia do mundo, e o animal é o emblema marinho do estado de origem do dr. Meekan, a Austrália Ocidental.

%d blogueiros gostam disto: